Elder Prates.
" A leitura não me transforma em gênio, mas com certeza tira-me da mediocridade ".
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Textos


Eros

Oh, Zéfiro que alteia as secas folhas.
Linda lua a clarear a negra noite.
És agulha que perfura bolhas.
E enxuga o sangue de qualquer açoite.
Ignoto de quaisquer escolhas.
Uivo longo numa meia-noite.
Que a selva da dor, desfolhas...

Oh, branda brisa que acalenta.
Polinize meu campo, traga a vida.
Sê tormenta ao espinho que atormenta.
Soprozinho à flor adoecida.
Um grãozinho que a alma alimenta.
Um alento à esperança esmorecida.
O calor que afaga... Esquenta...




Soneto escrito no estilo Soneto Prates:
2 estrofes com 7 versos.
Elder Prates
Enviado por Elder Prates em 24/11/2016
Alterado em 24/11/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Compre aqui o livro 'O sonho de ser escritor'
Compre aqui o livro 'Sonetos Prates'
Compre aqui o livro 'Poesias para refletir'
Compre aqui o livro 'Um pouco mais que palavras'
Compre aqui o livro 'Vontade, Imperativos e Dever nos primeiro e segundo capítulos da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant'